Cidades mais antigas da Europa

Cidades mais antigas da Europa

21 de junho de 2022 2 Por Day Off Club

Naturalmente, os especialistas nem sempre concordam sobre quais cidades são as mais antigas da Europa – então, como não há ninguém vivo para atestar civilizações e infraestruturas de 8.000 anos atrás, seguimos o consenso mais popular entre os principais historiadores. Embora a lista seja – sem surpresa – pesada na Grécia, Bulgária e Portugal também podem reivindicar algumas das metrópoles mais antigas do continente.

Plovdiv, Bulgária

Aqueles propensos a usar o termo antigo, tomem nota – a cidade de Plovdiv, construída em torno de sete colinas na região da Trácia, existe desde os tempos neolíticos (por volta de 6.000 aC). Foi habitada primeiramente por trácios (tribos indo-européias) e posteriormente por vários invasores, incluindo os celtas, gregos e persas. Hoje, é reconhecida como a capital cultural da Bulgária e é a segunda maior cidade do país (contando a maior área metropolitana), enquanto muito de seu passado histórico pode ser revisitado em sua Cidade Velha de paralelepípedos e ruínas antigas bem preservadas.

Atenas, Grécia

É amplamente aceito que a capital da Grécia – e maior cidade – Atenas tem sido um assentamento em funcionamento por 5.000 anos, tornando-se a capital mais antiga da Europa. No primeiro milênio aC, Atenas – nomeada em homenagem à deusa da sabedoria e da guerra, Atena – assumiu o papel de principal cidade da Grécia Antiga, onde nasceu o conceito de democracia. Como um dos maiores centros econômicos do sudeste da Europa, hoje continua seu reinado como uma das cidades mais importantes da Grécia, completa com locais do Patrimônio Mundial da UNESCO e monumentos antigos como o Partenon.

Argos, Grécia

Não estávamos brincando quando dissemos que a Grécia domina no reino das cidades antigas. Embora sua população de apenas 22.000 seja ofuscada pelos três milhões de Atenas, Argos tem sido habitada consistentemente desde cerca de 5.000 aC, com a agricultura fornecendo a principal força motriz da cidade. Também com o nome de uma figura significativa da mitologia grega – Argus, filho do deus e da deusa Zeus e Niobe – esta cidade da região do Peloponeso carrega um enorme peso cultural, comprovado pelos antigos túmulos e teatros micênicos que atraem turistas ano após ano. Enquanto isso, as cidades gregas de Patra, Trikala e Tebas surgiram entre 3.000 a 3.500 aC, enquanto Chalis e Mitilene seguiram por volta de 1.300 a 1.100 aC.

Chania, Creta

Na ilha de Creta, diz-se que a Chania moderna (que começou como a cidade-estado de Kydonia) está forte desde 4.000 aC. Os arqueólogos conseguiram confirmar a autenticidade das ruínas que datam do período minóico (por volta de 2.100 aC), com outros vestígios de vida no bairro da cidade velha de Kastelli que remontam ao período neolítico. Como muitos assentamentos gregos antigos, a cidade minóica de Kydonia recebeu o nome da mitologia grega – a lenda afirma que a cidade foi fundada pelo rei Cydon, filho do deus Hermes ou Apolo.

Chania remonta aos períodos minóico e neolítico | © Joana Kruse / Alamy Stock Photo

Lisboa, Portugal

Escavações arqueológicas sugerem que o local da atual Lisboa foi estabelecido já em 1.200 aC, tornando a cidade portuguesa a segunda capital europeia mais antiga. Antigamente, tinha um nome diferente, cortesia do estadista romano Júlio César: Municipium Cives Romanorum Felicitas Julia Olisipo. Um bocado, mas bastante simples: municipium significava cidade, enquanto Felicitas Julia era o apelido escolhido por Júlio, acrescentando ao seu nome existente de Olisipo. A área evoluiu desde então, como as coisas tendem a fazer ao longo de cerca de 3.700 anos – mas você ainda pode ver resquícios da história antiga da cidade em seu Museu Nacional de Arqueologia.